Menu

Arquidiocese, Destaque Fixo, Dom Darci, Vaticano

Declaração “Fiducia Supplicans”

Srs. Padres, fidelidade e perseverança na missão!

Com a “Declaração Fiducia Supplicans”, publicada com a anuência do Papa Francisco, a Igreja esclarece sobre o poder da benção, que recebeu do seu Senhor. A partir do documento, oriento os sacerdotes e o Povo de Deus da Arquidiocese de Diamantina – MG., a saber:

  1. A Igreja deve abençoar a todos e não somente aos puros e santos.
  2. ⁠A igreja não pode negar um pedido de benção, porque ela é Mãe e Mestra da humanidade.
  3. As bênçãos são próprias da religiosidade popular e não exigem prévia perfeição moral e nem participação plena à Igreja.
  4. A benção proposta aos casais irregulares é expontânea, sem rito ou formalidade, simples expressão da maternidade da Igreja.
  5. A benção de uma Mãe não chancela os descaminhos dos filhos (as), mas os traz para o colo na esperança de que a ouçam e se emendem. Neste sentido, melhor tê-los por perto do que distantes e com relações rompidas.
  6. O no. 31 diz do espírito do documento:

    “Estas formas de bênção exprimem uma súplica a Deus para que conceda aquelas ajudas que provêm dos impulsos do seu Espírito – que a teologia clássica chama de ‘graças atuais’ – para que as relações humanas amadureçam e cresçam na fidelidade à mensagem do Evangelho, se libertem das suas imperfeições e fragilidades e se expressem na dimensão cada vez maior do amor divino”.

  7. Portanto, não vejo nada de excepcional, mas somente a Igreja fazendo o serviço da benção, como a Mãe abençoa seus filhos.
  8. O desafio é orientar os representantes da Igreja, os ministros ordenados e os ministros leigos (que também podem abençoar), para não impartirem a benção dentro de uma celebração, nem na presença de uma assembleia, nem “com um rito ou vestes proprias”, para não ser simulação de sacramento.
  9. A intenção reta do Papa Francisco é aquela de orientar para a supremacia da Graça de Deus. O fiel que a ela se abre é curado, facilita o caminho da volta para quem da Igreja se distanciou.
  10. ⁠Que ninguém ouse ser obstáculo à Graça de Deus!
  11. Ouçamos o que o Espírito está dizendo à Igreja.

 

+ Darci José Nicioli, CSsR
Arcebispo de Diamantina MG – Brasil

OUTRAS NOTÍCIAS

CNBB

VATICANO