Notícias_destaque

Arquidiocese de Diamantina

Forania de Curvelo

 

 

 

 

 

ORIENTAÇÕES SOBRE A CHEGADA PARA A ORDENAÇÃO

02/05/2015

 

Orientações específicas

A Missa será às 09:00 h (praça da Basílica de São Geraldo- Curvelo/ MG)

Na Chegada Haverá grupos de recepção em diferentes entradas para orientar e oferecer o Café às caravanas em ônibus ou carros particulares (padres e fieis).

Caravanas procedentes da Região de

Diamantina:                       Paróquia Santo Antônio / Inimutaba

Belo Horizonte:                Comunidade Palavra Viva /Curvelo

Felixlândia:                        Clube Maria Amália/ Curvelo

Corinto:                               Paróquia Boa Jesus/ Curvelo

 

 

»»»Haverá grupos apostos e identificados para realizar a condução até o lugar do café e indicar o percurso até a Basílica «««

 

O almoço para a assembleia será oferecido no sistema de Marmitex, a fim de agilizar a distribuição, na barraca da Basílica.

O almoça para bispos, padres e familiares de Mons. José Aristeu será oferecido no salão da paróquia Santo Antônio, a poucos metros da Basílica.»»» Haverá informações «««

 

 

Orientações gerais

 

-nos pontos de café, na chegada e na praça da Basílica serão distribuídos os tíquetes de almoço

-na praça haverá distribuição água

-dos pontos de café até a praça da Basílica o percurso é de aproximadamente 15Min

-os padres e seminaristas se paramentarão na nave da Basílica; os bispos no salão ao lado

-os concelebrantes deverão trazer paramentos brancos

-o almoço será servido imediatamente após o final da celebração

 

 

Esclarecimento e sugestões

Pe. Lindomar Rocha

Tel. 38 92670006

 

Dom Sérgio da Rocha é eleito novo presidente da CNBB

 

O arcebispo de Brasília (DF), dom Sérgio da Rocha, foi eleito na manhã desta segunda-feira, 20, como presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O novo presidente foi escolhido ainda no primeiro escrutínio, após receber 215 votos, superando assim os 196 que corresponderam aos dois terços necessários para a eleição.

Currículo de Dom Sérgio

O arcebispo de Brasília e novo presidente da CNBB nasceu em Dobrada, no estado de São Paulo, em 1959 e foi ordenado presbítero na Matriz do Senhor Bom Jesus de Matão (SP) em 1984.

Foi nomeado bispo pelo papa João Paulo II em 2001, como auxiliar de Fortaleza (CE) e sua ordenação episcopal foi realizada em agosto do mesmo ano, na Catedral de São Carlos (SP), pelos bispos ordenantes dom José Antônio Aparecido Tosi Marques, dom Joviano de Lima Júnior e dom Bruno Gamberini.

Em janeiro de 2007 o papa Bento XVI o nomeou como arcebispo coadjutor da arquidiocese de Teresina (PI). Também pelo papa Bento XVI, em 2011, foi nomeado para arcebispo metropolitano de Brasília.

Dom Sérgio estudou Filosofia no Seminário de São Carlos (SP) e Teologia na Pontifícia Universidade de Campinas (SP). O arcebispo é mestre em Teologia Moral pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção (SP) e doutor pela Academia Alfonsiana da Pontifícia Universidade Lateranense, em Roma.

Dom Sérgio tem como lema episcopal “Omnia in Caritate” – “Tudo na caridade”

Pe. Lindomar Rocha Mota ministra a palestra: A formação Sacerdotal 50 anos depois da Optatam Totius: atualidade e atualizações para os estudantes de filosofia e teologia do seminário Arquidiocesana de Niterói.

 

Resumo:


Rever a atualidade do decreto Opatatam Totius meio século após sua elaboração nos anima, principalmente por se tratar de um texto que se verifica na prática quotidiana da formação sacerdotal nos tantos seminários dispostos no interior das Dioceses. A validade das 19 Proposições do Decreto, portanto, comprovam sua pertinência na verificação e ajuizamento que podemos fazer da atualidade da Igreja e na figura dos sacerdotes contemporâneos, pois “a desejada renovação de toda a Igreja depende em grande parte do ministério dos sacerdotes”.

 

As eleições para os cargos de presidente, vice-presidente, secretário geral, presidentes das doze comissões episcopais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) iniciam-se hoje, 20 de abril, ainda pela manhã. Também serão escolhidos os delegados que representarão a CNBB junto ao Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) e à 14 Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, que ocorrerá em outubro, no Vaticano.

As eleições podem prosseguir até o dia 23 de abril e seguem normas específicas do Estatuto Canônico da CNBB. Podem votar somente os membros efetivos da Conferência dos Bispos, ou seja, os bispos diocesanos e coadjutores, bispos auxiliares, bispos titulares que exerçam um ofício especial, confiado pela Santa Sé ou pela CNBB, além dos prelados das Igrejas orientais católicas. De acordo com dados da Conferência, do mês de abril, há 313 bispos na ativa, incluindo os cardeais e arcebispos.

Os bispos eméritos somam cerca de 140, mas não têm direito a voto e também não podem ser votados para cargos da CNBB, assim como os bispos recém nomeados que ainda não tomaram posse e que, portanto, ainda não são membros da Conferência.

Conforme o Estatuto Canônico, o voto é secreto e direto. Na contagem dos votos são consideradas as abstenções e votos nulos, a fim de calcular o número de votantes, respeitando a maioria exigida. A Assembleia só poderá deliberar ou eleger, se estiver presente a maioria absoluta dos membros. Todos os bispos da Conferência poderão ser votados, exceto os eméritos. O mandato tem duração de quatro anos, sendo permitida uma única reeleição consecutiva para o mesmo cargo. Ao serem eleitos, os bispos irão exercer os cargos para os quais foram designados, porém continuam em suas arqui(dioceses).

As eleições para cada cargo ocorrerão em votações separadas. A primeira eleição é para presidente, depois vice-presidente e, posteriormente para secretário-geral da CNBB, considerando a maioria de dois terços dos votantes, no primeiro e segundo escrutínio; e por maioria absoluta dos votantes, no terceiro ou quarto escrutínio. Caso seja necessário, se fará o quinto e último escrutínio entre os dois candidatos mais votados no segundo escrutínio.

Comissões Episcopais

Os presidentes das 12 Comissões Episcopais Pastorais são eleitos por maioria absoluta dos votantes, no primeiro ou segundo escrutínio. Caso não haja um nome escolhido, haverá o terceiro e último escrutínio entre os candidatos mais votados no segundo escrutínio. A eleição dos delegados e suplentes da CNBB junto ao Celam e no Sínodo dos Bispos sobre a Família segue as normas aplicadas às eleições dos presidentes das Comissões Episcopais.                                                                                        

Quem pode ser eleito

Para os cargos de presidente e vice-presidente da CNBB poderá ser eleito somente bispo diocesano. Já o cargo de secretário-geral deve ser ocupado por um bispo. A cerimônia de posse da nova Presidência e dos presidentes das Comissões Episcopais ocorrerá na sexta-feira, 24, às 10h30, no Centro de Eventos Padre Vítor Coelho. O evento será aberto à imprensa.

 

53ª Assembleia Geral será eletiva e atualizará Diretrizes Gerais

 

Durante a 53ª Assembleia Geral (AG) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que acontecerá de 15 a 24 de abril, em Aparecida (SP), os bispos atualizarão as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE). As orientações pastorais aprovadas em 2011 serão apenas revisadas a partir da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium e do pronunciamento do papa Francisco aos bispos ocorrido no Rio de Janeiro (RJ), em julho de 2013.

 

“As diretrizes gerais continuarão a inspirar o trabalho da Igreja nos próximos quatro anos, levando em consideração a atuação do papa Francisco”, explica o arcebispo de São Luís (MA) e vice-presidente da CNBB, dom José Belisário da Silva.

 

O arcebispo afirma que as DGAE 2011-2015 foram bem acolhidas pelas comunidades do Brasil. “As pessoas realmente receberam com o coração muito aberto, e aquelas cinco urgências pegaram muito bem. Tanto assim que foi aprovado que essas diretrizes continuarão por mais quatro anos, porém com algumas revisões, inspiradas nos pronunciamentos do santo padre Francisco”, conta.

 

As Diretrizes Gerais estão ligadas à natureza da CNBB, definida em Estatuto Canônico ratificado pela Congregação para os Bispos do Vaticano. Cabe à Conferência colaborar com os bispos na dinamização da missão evangelizadora, “para melhor promover a vida eclesial, responder mais eficazmente aos desafios contemporâneos, por formas de apostolado adequadas às circunstâncias, e realizar evangelicamente seu serviço de amor, na edificação de uma sociedade justa, fraterna e solidária, a caminho do Reino definitivo”, diz o texto.

 

As atuais DGAE contêm cinco urgências para a ação evangelizadora: Igreja em estado permanente de missão; Igreja: casa da iniciação à vida cristã; Igreja: lugar de animação bíblica da vida e da pastoral; Igreja: comunidade de comunidades; e Igreja a serviço da vida plena para todos.

Assembleia Geral

O encontro anual do episcopado brasileiro  reúne mais de 450 bispos, entre cardeais, arcebispos, bispos auxiliares e eméritos, além dos que fazem parte das igrejas de Rito Oriental. No total, serão 274 circunscrições eclesiásticas representadas.

O bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, avalia a assembleia geral como momento de comunhão, de encontro, de alegria e de celebração da Igreja no Brasil. “A assembleia é um momento extraordinário para nós bispos. Essa troca de ideias, essa troca de afeto colegial. Imagina todos nós podermos celebrar juntos a Eucaristia? Todas as Igrejas particulares ali presentes na figura do bispo. Isso é extraordinário!”, sugere.

Neste ano, além da atualização das DGAE, os bispos terão a missão de eleger a nova Presidência da entidade, composta pelo presidente, vice e secretário geral; os presidentes das doze comissões episcopais pastorais; além de delegados da CNBB para o Conselho Episcopal Latino Americano (Celam) e para a XIV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, marcada para outubro deste ano, no Vaticano.

 

Tema prioritário

Na grade de atividades da 53ª AG, está previsto o debate sobre o novo texto que trata dos cristãos leigos e leigas, preparado após recebimento de sugestões e emendas pela comissão responsável. Aprovado em 2014, o texto de Estudos 107, Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade – Sal da Terra e Luz do mundo, volta à pauta da reunião episcopal para nova avaliação.

“Esse estudo está sendo muito bem acolhido nas nossas dioceses, especialmente pelos leigos organizados em comunidades, em movimentos etc. Eu espero que talvez ele se torne um documento oficial da CNBB”, afirma dom Belisário da Silva.

No contexto dos 50 anos do Concílio Ecumênico Vaticano II, o vice-presidente da CNBB considera que a Igreja vive em um momento de “plena consciência” de sua identidade como povo de Deus. “Acho que vivemos numa fase em que toma-se plena consciência que a Igreja é o povo de Deus, e dentro do povo de Deus a maior parte é leigo, sem dúvida nenhuma. A hierarquia, os ministérios ordenados estão a serviço, são ministérios, então, a Igreja é fundamentalmente esse povo de Deus, e dentro desse povo de Deus, o povo que caminha no mundo que são os leigos e leigas”, explica.

Mais Artigos...

Repositório de Notícias