Modificar o tamanho de letra:

 

Projeto da Pastoral da Saúde uniu iniciativas eclesiais e sociais na defesa da saúde pública

As Pastorais Sociais e organismos vinculados à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) estarão presentes na 15ª Conferência Nacional de Saúde, que será realizada entre os dias 1º a 4 de dezembro, no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília (DF). Um coletivo - composto por movimentos sociais, conselheiros, redes e entidades – foi mobilizado com a finalidade de destacar a importância e defender o Sistema Único de Saúde (SUS). O grupo montará a tenda “Em defesa do SUS” e disponibilizará um placar, chamado BenefiSUS, que mostrará em tempo real a quantidade de atendimentos realizados pela rede pública.

A partir do tema “Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro” o evento, promovido pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), vinculado ao Ministério da Saúde, irá “avaliar a situação da saúde no país, ajudar a definir caminhos e a garantir que o SUS seja um direito de todos”.

A mobilização das Pastorais Sociais e de movimentos sociais está dentro das atividades do projeto “Direitos Sociais e Saúde: fortalecendo a cidadania e a incidência política”, que pertence ao programa Justiça Econômica e envolve uma parceria com a Pastoral da Saúde nacional, o Grito dos Excluídos Continental, as Pastorais Sociais da CNBB e a Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP). O financiamento da ação tem apoio da União Europeia e da Agência Católica para a Cooperação Internacional da Inglaterra e País de Gales (Cafod). Os grupos pretendem “contra-atacar todas as tentativas que colocam o sistema de saúde em ameaça para as populações mais excluídas e sem acesso a um serviço considerado dos mais básicos com dados da realidade”.

O coletivo entende que “há muito tempo o sistema público de saúde é alvo de ameaças, com recursos que querem sua redução ou mesmo outras investidas que tentam acabar com direitos sociais”.

Em carta enviada aos delegados envolvidos na iniciativa do projeto Direitos Sociais e Saúde, o bispo de Ipameri (GO) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da CNBB, dom Guilherme Antônio Werlang, ressaltou a importância da defesa da saúde pública. “Precisamos cuidar do SUS, pois é filho da atuação cidadã de muitos brasileiros e brasileiras preocupados com a saúde do nosso povo e é o caminho eficaz do acesso ao direito à saúde”, disse.

O bispo ainda falou que para alcançar o objetivo de preservação da saúde pública com eficiência e qualidade é necessário “agir em defesa incondicional do SUS, como patrimônio do povo brasileiro, e de princípios e valores tão importantes para a sociedade, como a luta em defesa da vida e de outros direitos imprescindíveis a todos, desde o momento da concepção até a sua finitude”.

A tenda “Em defesa do SUS” oferecerá, além das informações do placar BenefiSUS, materiais do projeto Direitos Sociais e Saúde, como folders, as propostas defendidas para a 15ª Conferência, marcadores de páginas, camisetas, documentos bases de orientação, teses para a Conferência, entre outros.

No dia 1º de dezembro, às 14h, haverá uma marcha em defesa do SUS, com a concentração em frente à catedral metropolitana de Brasília.

Populações do Campo

Paralelamente à 15ª Conferência e às ações do projeto Direitos Sociais e Saúde, haverá o 1º Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas - “Cuidar, promover, preservar: a saúde se conquista com luta popular!”. O evento também acontecerá em Brasília, mas com início na segunda-feira, dia 30 e término no sábado, 5 de dezembro.

De acordo com a organização o encontro terá caráter formativo e de luta, com desafios relacionados à compreensão da participação e controle social nas questões de saúde das populações do campo, da floresta e das águas. Também haverá mobilização junto aos delegados da Conferência.